Pistola que matou jornalista no Paraguai foi usada em 7 casos ligados ao PCC

Jornalista Léo Veras foi morto a tiros na fronteira entre Brasil e Paraguai.REPRODUÇÃO / TV RECORD

Os tiros que calaram a voz do jornalista brasileiro Lourenço Veras, o Léo, de 52 anos, enquanto ele jantava com a família na noite de 12 de fevereiro de 2020, foram disparados de uma pistola Glock 9 mm. A mesma arma foi usada nas execuções de ao menos outras 7 pessoas na cidade paraguaia de Pedro Juan Caballero. Todos os crimes estariam relacionados à facção paulista PCC (Primeiro Comando da Capital).

A descoberta foi feita a partir da balística forense feita em Assunção, que identificou, em cartuchos recolhidos na casa do dono do site de notícias Porã News, o mesmo padrão de marca produzido pelo percussor da pistola no instante do disparo –uma espécie de impressão digital, única para cada arma.

A informação foi confirmada à Abraji (Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo) por autoridades envolvidas na investigação do assassinato de Léo Veras. Apesar da celeridade na descoberta da marca produzida pela arma, nenhuma testemunha ou familiar prestou depoimento formal à equipe de trabalho de agentes especializados na luta contra o narcotráfico e o crime organizado da Fiscalia (Ministério Público) de Pedro Juan Caballero e Assunção até esta 6ª feira (21.fev.2020), 9 dias após a execução.

Apenas 1 policial num carro descaracterizado vem sendo mantido à frente da casa da família, no bairro Jardim Aurora, região sob influência de narcotraficantes.

A força-tarefa montada para apurar o caso vem trabalhando em 5 linhas de investigação que poderiam ter motivado a execução de Veras. Todas ligadas a atividades dos narcotraficantes do PCC na fronteira entre Ponta Porã (MS), no Brasil, e Pedro Juan Caballero, no Paraguai, noticiadas pelo jornalista em seu site.

Entre as linhas de investigação estão 2 assassinatos e 1 desaparecimento, no 2º semestre de 2019. As duas vítimas, uma delas 1 adolescente de 14 anos, foram torturadas, baleadas e tiveram os corpos esquartejados e queimados.

Outro caso foi a apreensão de armas e drogas da facção, noticiada com exclusividade por Veras, que estaria apurando o envolvimento de policiais paraguaios na proteção aos traficantes. O jornalista também foi o 1º a noticiar uma ação que resultou nas prisões de 3 integrantes do PCC foragidos da Penitenciária Regional de Pedro Juan Caballero, publicada 4 dias antes de sua execução.

Na noite após o crime, Marco Amarilla Allen, titular da unidade de narcotráfico da Fiscalia de Pedro Juan Caballero, recolheu na casa do jornalista o computador e o celular que ele usava em suas atividades profissionais.

Os 2 equipamentos não tinham senha, e o celular registrava grupos de WhatsApp com fontes de Veras, incluindo autoridades policiais brasileiras e paraguaias, além de trocas de mensagens com outros jornalistas sobre suas atividades na fronteira. A investigação policial sobre o assassinato segue sob sigilo.

PROGRAMA TIM LOPES
Poder 360
Angelina Nunes e Sérgio Ramalho