Promotora de justiça confirma possível violência e tortura contra preso em penitenciária na fronteira

Após denúncia de familiares, promotora de justiça confirma violência e tortura contra preso foragidos recapturados na região de fronteira.

A promotora de justiça Camila Rojas do Ministério Publico do Paraguai na cidade de Pedro Juan Caballero, confirmou na manha de quinta feira (23) que o preso Cristhian Javier Vera Benitez (26) apresentava sinais de violência e teria sido torturado ao regressar ao interior da Penitenciaría Regional de Pedro Juan Caballero pelos próprios funcionários prisionais com o conhecimento do interventor que teria se mantido de braços cruzados.

A situação indignou os familiares de presos que cobraram um posicionamento das autoridades paraguaias, já que casos de violência contra presos são inadmissível, pois violam os direitos fundamentais dos mesmos e da reinserção social, pela que na noite de quarta feira, os familiares ao terem conhecimento denunciaram o caso em uma comissária de polícia e na manha de hoje o Ministério Público designou a promotora de justiça Camila Rojas a que investigue o caso, a mesma após visitar o recapturado manifestou que este não representou contra os funcionários prisionais por medo a novas represálias mas que tinha marcas visíveis de violência pelo corpo pela que solicitou que o mesmo seja submetido a inspeção por uma junta médica ainda na tarde de quinta feira a fim de que possa ser aberta uma investigação a fim de apontar os culpados da violência e tortura contra o preso.

Já a direção a Direção de Supervisão de Justiça e Penitenciária, não se manifestou a respeito do caso e nem lançou nota informando que situação determinará sobre o caso e o atual interventor se negou a receber na tarde de quinta feira integrantes da imprensa brasileira que cobriam o caso na cidade paraguaia de Pedro Juan Caballero na fronteira com o estado do Mato Grosso do Sul.