Campo Grande / MS - terça-feira, 28 de setembro de 2021
(67) 99890-6610

Por que a eleição para a mesa da Câmara importa?

Publicado em: 21/12/2020 - 10:26

As eleições para a mesa da Câmara dos Deputados são relevantes por três motivos. Primeiro, porque permitirão (ou não) que o Legislativo siga atuando como freio e contrapeso aos arroubos de Bolsonaro. Depois, porque sinalizarão (ou não) a capacidade da oposição de costurar alguma tática comum para as presidenciais de 2022. E, finalmente, porque viabilizarão (ou não) as reformas de que o país se ressente.

A priori existiam três grandes grupos. Além de partidos pequenos que, como PSol e Novo, cogitam lançar candidatos para marcar posição. O primeiro bloco definido foi o que apoia Arthur Lira, o candidato de Bolsonaro. Com os seguintes partidos: PP, PL, PSD, Solidariedade, PTB, PROS, PSC, Avante e Patriota. Até há pouco o Partido Republicanos, com 31 deputados, cogitava lançar a candidatura de Marcos Pereira, bispo da Igreja Universal, na tentativa de criar uma “3ª via”. Mas ele aderiu ao candidato do presidente, sob a promessa do Ministério da Cidadania (que cuida do Bolsa Família), comenta-se. Ou da Indústria e Comércio, que já ocupou no Governo Dilma. O segundo bloco, articulado por Rodrigo Maia, juntou de início DEM, MDB, PSDB, PSL, Cidadania e PV. O terceiro bloco, o da esquerda, abrangia PT, PSB, PDT, PC do B e Rede. Na 6ª feira o bloco inicial de Maia e o dos partidos de esquerda se juntaram.

Até 1º de fevereiro, muita água ainda vai rolar. Mas o cenário já se moveu para a formação de duas grandes frentes. A bolsonarista em torno de Arthur Lira, com potencial de 204 votos. E a liderada por Rodrigo Maia, alargada com o apoio da esquerda, com potencial de 281 votos. Falo de potencial porque é forte a tradição de traições e dissidências à posição oficial das bancadas. Curioso é verificar o contraste entre Rodrigo Maia e setores do PSB e PT. O primeiro sacrificou a candidatura de Elmar Nascimento, do seu partido, para costurar uma aliança capaz de derrotar a de Bolsonaro. Nesses dois partidos, há setores que ainda flertam com a candidatura do presidente da República. Pequenos apetites, há quem imagine.

No documento conjunto lançado pelos partidos do bloco de Maia, a referência a Ulysses Guimarães veio com o compromisso de aprofundar nossa democracia e conter as inclinações autoritárias e regressivas da direita radical instalada no Executivo. O documento anuncia uma posição política, antes do candidato. Um bom sinal em tempos de populismo e personalismo. Uma aliança que parece se justificar para que a Câmara continue sua tarefa de contenção aos excessos e intenções autoritárias de um presidente que nunca soube se movimentar no jogo parlamentar e sempre mostrou pouco respeito pelas demais instituições.

Rodrigo Maia se elegeu com uma ampla costura que alcançou os partidos de esquerda. Repetir a tática pode garantir a vitória à oposição em fevereiro. O presidente continuaria submetido aos freios e contrapesos de uma Câmara não servil e menos propensa às prebendas do Executivo. Uma Câmara não capturada teria mais condições de negociar com amplos segmentos o conteúdo de reformas e projetos inadiáveis. Mas que só se tornam viáveis se levarem em conta outras forças do Brasil real. Sobretudo os setores populares, sobre quem desaba a conta da ausência de reformas. Mas também a das reformas feitas com o olhar da Faria Lima. Essa nova frente costurada por Maia pode ter um efeito positivo na construção dos diálogos entre os partidos de esquerda, de centro e de direita que não estejam dispostos a repetir 2018.

Mesmo que seja difícil uma candidatura única de amplas forças democráticas não bolsonaristas, esse diálogo pode produzir táticas que viabilizem a derrota do bolsonarismo no 2º turno de 2022. Mas, principalmente, a construção de consensos parciais em torno de temas essenciais a um novo projeto de nação. Afinal, foi com maturidade política, articulação e unidade que o povo americano se livrou de Trump. Por que os brasileiros não podem fazer o mesmo com o seu plagiário e sua pauta regressiva nos valores?

Por: Maurício Rands
Fonte: Diário de Pernambuco



Desenvolvido por Argo Soluções