Quem venceu as eleições em 2020

©José Cruz/Agência Brasil

Os meios de comunicação e vários comentaristas constataram rapidamente que os maus resultados dos aliados do presidente Bolsonaro demonstraram claramente que houve uma derrota do presidente e do populismo de direita. Mas também constataram que a esquerda teve perdas nas eleições, pois os candidatos de seus partidos perderam representatividade nacional nos cargos em disputa. O PT (perdeu 78 prefeituras) e o PSB (perdeu 158 prefeituras), por exemplo, saíram menores em número de prefeitos, vereadores e votos. Nesse contexto, teria havido uma vitória da centro-direita do espectro político. O PP ganhou 184 prefeitos, o PSD ganhou 113 prefeitos e o Republicanos ganhou 102, embora o MDB tenha perdido 285 prefeitos e o PTB, 49. Essas são as conclusões mais comuns em análises sobre os resultados das eleições.

Uma das causas fundamentais da reação ao PT, por boa parte da população, foi a sua associação com a corrupção nos governos Lula e Dilma. Nessa eleição, o eleitorado ainda penalizou os partidos mais fortemente associados ao PT (PSB, PCdoB, PV, MDB e PDT, por exemplo). Entretanto, apesar da imagem mais associada à corrupção ter sido a do PT, por ser hegemônico no poder político desde 2003, alguns partidos que cresceram nessas eleições, como o PP, o PSD e o Republicanos, tiveram maior número proporcional de políticos denunciados por corrupção do que o próprio PT e seus associados ideologicamente mais próximos. Ou seja, a população votou muito em partidos que na verdade mostraram-se mais associados à corrupção, até mesmo do que o PT. Na sua guinada em direção à política tradicional de centro-direita, os eleitores entregaram-se a representantes mais corruptos. Nesse espectro, apenas o DEM, que também cresceu, não esteve associado fortemente à corrupção da era petista, tal qual ocorreu com o PP, o PSD e o Republicanos.

Esses partidos como PP, Republicanos e PSD de fato não têm ideologias, apesar de serem associados à centro-direita. São, na verdade, agregados de grupos de interesses, que abrigam principalmente políticos que recorrem a benesses obtidas a partir da proximidade com o poder para a manutenção de bases políticas de apoio e para o enriquecimento pessoal. Por isso, são sempre flexíveis, e mantêm-se girando em torno do poder, seja ele de qual matriz ideológica for. Por isso, geralmente despontam como líderes em acusações de corrupção. Isso significa que o crescimento deles revela que há um problema de informação, caso haja real rejeição à corrupção por parte da população, como declarado em pesquisas. Mas, na verdade, o que esses resultados indicam é que os eleitores preferem apostar em benesses específicas para suas cidades, bairros e segmentos socioeconômicos do que em políticas macro, tanto econômicas como sociais, que possam no final até beneficiá-los mais no médio e longo prazos, a partir do crescimento econômico e melhor distribuição de renda. Numa visão de dilema do prisioneiro, as eleições mostram que estamos adotando estratégias não-cooperativas com vistas a obter benefícios imediatos. Por tal, estamos todos no pior equilíbrio, que é a manutenção de baixo crescimento econômico e de bem-estar geral em troca de tentativas de favores imediatos minúsculos.

Alexandre Rands Barros

Fonte: Diário de Pernambuco

Redes Sociais
Nos siga no Google Notícias   Autor e Fonte: Jornal Eletrônico em Mato Grosso do Sul - Tereré News
Por Chico Oliveira/Tereré News   Empresa Jornalística    ouça este conteúdo   Edição Impresa.