Campo Grande / MS - segunda-feira, 2 de agosto de 2021
(67) 99890-6610

SESI responde as dúvidas sobre o uso de máscaras mesmo após a vacina da covid-19

Publicado em: 22/07/2021 - 9:25

A máscara protege quem as usa e as pessoas ao redor. Especialistas apontam que o uso é importante mesmo para quem está vacinado, pois não está livre do risco de infecção e transmissão da doença.

O equipamento de proteção individual é indispensável neste momento de pandemia e precisa de cuidados especiais para garantir a melhor eficiência. Você sabe qual o nível de proteção das máscaras? Como higienizar? Quando deve ser descartada?

Para ajudar a população a se proteger ainda mais da covid-19 e tirar as principais dúvidas, a médica pneumologista do SST (Saúde e Segurança do Trabalho) do SESI,Paola Oliveira Cavalcante de Brito, esclareceu alguns pontos sobre o uso da máscara. Confira:

Mesmo vacinada a pessoa deve continuar usando máscara?

Paola Brito: “Sim, mesmo após a vacina, há muitos casos de pessoas que contraíram a covid-19 e, consequentemente, podem transmitir. O ponto principal da vacinação é evitar casos graves, e se continuarmos a transmissão, novas variantes irão aparecer e perpetuar a pandemia”.

Com o uso de máscara o distanciamento pode ser flexibilizado?

Paola Brito: “ Mesmo com o uso de máscaras, é importante evitar aglomerações, procurar ambientes abertos e ventilados para os encontros”.

Qual o grau de proteção que a máscara garante?

Paola Brito: “Depende do tipo de máscara. A PPF2 ou N95 filtra 94% a 95% de poeiras, névoas e fumos, com eficiência de 99% em filtração de gotículas maiores e 95% em aerossóis. Máscara cirúrgica com tripla camada garante 98% de eficiência em proteção de filtragem de gotículas e 89% em aerossóis. Máscaras de pano e tecido variam conforme o tecido e localização da costura, variam em média 50% de eficiência em filtração de aerossóis”.

Qual a máscara mais segura?

Paola Brito: “As máscaras N95 ou PFF2 são as que possuem maior capacidade de filtração do ar, com diversas camadas. A máscara cirúrgica tripla também possui alta capacidade de filtração, mas devemos trocar com frequência”.

A máscara precisa ser trocada depois de quanto tempo?

Paola Brito: “Depende do tipo de máscara. As feitas de pano devem ser trocadas a cada 2 horas. As máscaras cirúrgicas a cada 2 ou 4 horas. A PFF2 ou N95 a cada semana”.

Qual a forma correta de lavar a máscara de pano?

Paola Brito: “A forma correta é com solução desinfetante, por exemplo com hipoclorito de sódio ou em temperatura acima de 60 graus Celsius”.

Quantas vezes posso lavar uma máscara de tecido?

Paola Brito: “Até 30 lavagens, após isso recomenda-se o descarte”.

Só deixar a máscara ao sol garante a higienização?

Paola Brito: “Não. Cada tipo de máscara tem uma recomendação. No caso da N95 ou PFF2 como são máscaras que não permitem a lavagem, o recomendado é deixá-las em local arejado, por 3 a 5 dias e reutilizar. Já as máscaras de tecido têm recomendação de lavagem diária. As máscaras de tecido com íons de prata (anti-viral) não há necessidade de lavagem diária, mas se houver sujidade.  As máscaras cirúrgicas são descartáveis. As de pano precisam de solução desinfetante, como por exemplo, hipoclorito de sódio”.

Usar duas máscaras de tecido é mais eficiente?

Paola Brito: “Sim, pois conferem proteção maior, mas como há diferentes tipos de tecidos para confeccionar máscaras, é difícil quantificar a eficiência de maneira precisa. Por isso a recomendação é que sejam usadas máscaras cirúrgicas ou PFF2/N95, pois sabemos de forma mais garantida que há proteção. Mas claro, que máscara de tecido é melhor que nenhuma máscara e, se houver mais uma camada de proteção, melhor”.

De quais tecidos as máscaras caseiras podem ser feitas?

Paola Brito: “Segundo a OMS, as máscaras de tecido devem ter pelo menos tês camadas diferentes com materiais específicos: a camada externa de material hidrofóbico (por exemplo poliéster); a camada no meio de material sintático (por exemplo polipropileno); e camada interna de material absorvente (por exemplo 100% algodão). Claro que qualquer máscara é melhor que nenhuma máscara. E atenção: para as máscaras de tricô, neoprene de 100% poliéster que não oferecem a proteção mínima recomendada. Todo tecido que possui trama muito aberta ou costura na frente não é capaz de promover proteção satisfatória”.

Posso compartilhar as máscaras caseiras com pessoas da família, após a higienização?

Paola Brito: “Não é recomendado. Máscara é de uso pessoal, íntimo”.

 

 

SISTEMA FIEMS



Desenvolvido por Argo Soluções